DANIEL BENITEZ

                  Daniel Benjamin Benitez Villalba nasceu em 20 de Março de 1956, na cidade de Fray Bentos, Uruguai. Filho de Elida Villalba e Bernabé Benitez, Daniel viveu parte da infância em Fray Bentos, onde iniciou seus passos musicais com a professora Leonor Alves mudando-se depois para Montevidéu.

                  Em Montevidéu, ainda adolescente, começa a atuar como músico profissional, principalmente como baterista e contrabaixista, chegando a atuar em orquestras de cruzeiros marítimos, percorrendo vários países da América latina.

Curiosamente, a carreira de cantor se iniciou de fato em São Paulo, Brasil, quando se especializou como intérprete de clássicos latinos e standards do Jazz, chegando a abrir shows de Ella Fitzgerald. Paralelamente também continuava sua carreira de músico, acompanhando nomes como Sergio Reis, Nelson Gonçalves, Waldick Soriano, entre outros.

                   Daniel Benitez: Latinizando a música Amazônica.

                  Foi ainda na década de 1970 que o jovem Daniel Benitez conheceu o Brasil. Natural de Fray Bentos, Uruguai,até então já tinha viajado por boa parte da América Latina, trabalhando como músico baterista, contrabaixista e percussionista. No entanto, quando veio ao Brasil foi como um turista, um curioso, que como muitos, sonhava em conhecer o Brasil.

                 Chegou inicialmente em São Paulo, e tempos depois, viajou por algumas cidades como funcionário do renomado circo italiano Orlando Orfei, que tinha então datas marcadas para apresentações em Belém.

                 Na cidade das mangueiras sua história começa a ser reescrita. Fixando residência em Belém, no início dos anos 80 já era um dos músicos mais requisitados em estúdios da cidade, atuando principalmente como percussionista, colocando os elementos dançantes da música latina em vários Lps de artistas locais.

                 Era a época em que Pinduca já tinha grande sucesso com o Carimbó, e a música paraense começava a lançar nomes de sucesso no mercado local, porém a cada novo lançamento, essa musicalidade ia se misturando a novos elementos.

                 Quando finalmente a Lambada aconteceu como fenômeno de vendas, Daniel Benitez já havia gravado centenas de Lps, incluindo as percussões dos principais sucessos de Beto Barbosa, Alípio Martins, Carlos Santos e outros artistas de sucesso na época.

                 Na década de 90, foi convidado a integrar a banda Warilou, banda formada pela a nata dos músicos de estúdio de Belém. Foram mais de 5 anos e 5 Lps de sucesso, com esta banda que fez história no cenário musical paraense.

                Além da sólida carreira de cantor, incluindo CD solo (Con amor, 1996), Daniel também atuou em projetos de música instrumental (Willy Benitez Jazz Trio) e integrou por mais de 10 anos a banda latina Mundo Mambo, criada por seu filho Bruno Benitez.

                O legado musical de Daniel Benitez na música Paraense e brasileira é incontestável. Sabemos das origens indígenas e negras que forjaram a cultura do estado, mas em se tratando de música, o elemento caribenho e latino americano também se fez presente de várias formas.

               Na década de 50 e 60 era a rádio de ondas curtas dos países vizinhos que nos conectava a latinidade, e a partir dos anos 70, a própria indústria fonográfica local se desenvolveu com o surgimento de estúdios e selos de gravação, que também absorveram esta influência musical. Daniel produziu ,muitos dos Lps produzidos nesta época.

              Nossa música Amazônica tem cor, sabor e muito, muito swing, que vem do caboclo, do negro, do índio, e porque não dizer também, no que diz respeito à influência latina, do legado musical deste uruguaio- paraense chamado Daniel Benitez.